quinta-feira, 17 de abril de 2008

Sobre assuntos técnicos e definições

Eu tenho consciência de que os conceitos e verdades de hoje são uma construção social, na qual se baseiam outros conceitos como ética e de conduta, mas mantendo em mente essa volatilidade, por assim dizer, preciso esclarecer desabafando:

A medicina do trabalho atual, com critérios científicos baseados em princípios de anatomia e fisiologia, história e epidemiologia, não acredita na popular definição de LER (lesões por esforços repetitivos).

Você não pega uma LER ao usar um computador no serviço, ou carregar uma caixa, ou "dar" 8 horas da sua vida diária ao sistema capitalista injusto e concentrador de rendas. Se tem dor, procure um médico; se tem uma tendinite de algum tendão de algum grupo muscular específico, seja no antebraço, no cotovelo, no ombro ou qualquer outra parte, trate, cure-se e volte às suas atividades. Se dizem que precisa de exercícios e alongamentos, faça.

Só peço que não sejam mais vitimas do sistema, para todo um sempre lesados, sequelados e incapacitados para o trabalho, sofredores eternos e sentenciados a viver "encostados" em uma previdência forçosamente cética e desumana em suas casas dotadas dos confortos modernos fazendo suas atividades de lazer enquanto os que calam e fazem o que sempre fizeram, como faziam camponeses no passado, sem lamurias ou subterfúgios, pagam por isso.

(PS: esse pensamento não é compartilhado por toda a classe médica, muito menos pelas entidades sindicais "atuantes" ou advogados trabalhistas. Também não desmente a existência de trabalhadores doentes e incapacitados de causas notadamente laborais)

(PPS: nota histórica: a Austrália acabou com a epidemia de LER no passado com uma legislação firme. E por mais cruel que pareça, as pessoas recuperaram-se...)

6 comentários:

Ana Luisa disse...

Oie!!

Se for realizada uma triagem [verdeira] metade dos "encostados" vão ter que se desencostar..rs..mas acontece que conceitos de ética e de conduta são piada..infelizmente..a construção social do Brasil, tem como resultado "o jeitinho brasileiro"...pra mudar isso, só com muito trabalho e o pagamento de um preço que muito alto: o da honestidade [raridade].

Beijinho.

PS.: Tenho bom gosto, por isso gosto de vc..rs.

OLHE SEUS EMAILS.

Lorita disse...

Sei lá, mas acho que adquirir uma LER no trabalho é a msm coisa que o Ronaldo tá todo fudido e isso por que? Por que o dentucinho e o trabalhador que tem LER, usaram demais o musculo? E onde usaram demais? No trabalho! entonces é sim caso de se pagar o medico e tals pra ambos!
E tenho dito!

bjm

poetriz disse...

Penso o mesmo do stress e da depressão... *extremista*

Gracyelly disse...

Vc pode usar esse post na sua monografia? Pq se puder, j� � coisa a menos p/ escrever �

Mariah só Mariah disse...

nunca vi ningu�m com "ler" ou "tendinite" para jogar futebol,nem ficar "teclando"...estranho n�.
estranhe uma lei trabalhista que, atrav�s deste tipo de benef�cio, acaba incentivando "o contrato informal"....hoje em dia (ou desde nosso amigo Get�lio n�?) empres�rios t�m pavor de registrar carteiras de empregados...
vamos virar um pa�s de camel�s.
mariah

Anna Flávia. disse...

esse papo de ética e conduta me lembrou que tenho que voltar a estudar...

beijos