terça-feira, 7 de julho de 2009

Que fins justificam que meios?

Como não poderia deixar de ser, os mais fervorosos adeptos brasileiros do chavismo e do castrismo são os mais ardorosos críticos do golpe militar em Honduras. Ou seja, menosprezam a democracia e o Estado de Direito aqui e condenam os que resistem ao seu projeto acolá. O MST, a Via Campesina e os ditos movimentos sociais se arvoram em cruzados da democracia, quando a sua prática - e o seu discurso - é a de desprezo pelas instituições democráticas, a invasão de propriedades, o desrespeito ao Estado de Direito e as odes dirigidas a ditadores como Fidel Castro. Este é, de fato, o verdadeiro exemplo de “democrata”.(Denis Rosenfield)


Bom, existem dois lados em uma moeda, certo? Não nego o argumento de que quem "está no poder", como bons humanos, utiliza os meios que pode para manter-se e sua descendência bem posicionados, sendo exemplos destes meios a prórpia lei e também a mídia.

Agora, considerar simplesmente que hoje o trabalhador é oprimido, desinformado e inpotente seria no mínimo uma visão deturpada (a meu ver, ao menos nos grandes centros urbanos) e que qualquer meio é justificável para que essa injustiça seja desfeita e os "burgueses" punidos...

Bom, vai que esse é apenas o ponto de vista de um "pequeno burguês capitalista", né? Por isso é melhor parar por aqui.


Texto linkado twitado pelo Alessandro Martins

4 comentários:

Vanessa disse...

Bem...

Eu adoro o Maquiavel, e acho a frase “ os fins justificam os meios” excelente para a época dele, ou para uma ou outra colocação muito específica. E, se bem analisado o contexto em que ele disse esta frase, não traz nada de cruel. Todavia se usada hoje, como se vê nos livros de marketing, podemos considerar no mínimo como uma demonstração de falta de ética, onde se faz qualquer coisa para conseguir lucro.
Mas sobre a política e os dois lados da moeda, eu acredito só em um, o de cada um de nós. O governo que só pensa nele, o povo que só quer tirar proveito do governo (assistencialismo). E eu que fico criticando, mas não faço nada.
Política externa, então? Sujeira. Se democracia é (bem sucintamente...) cada um ter liberdade para fazer o que quer, então a democracia é individualista. Deste modo, salve-se quem puder.
Mas, concordo com você "pequeno burguês capitalista" , principalmente no que tange a visão deturpada.

Beijo

Anna Flávia disse...

Seu burguês capitalista. :P

C r i s disse...

Só tenho uma coisas a dizer sobre isso:

"comunista? então vai viver em Cuba!"

fernando disse...

o q q vc esta fazendo no BRASIL?!!!