quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Morte na rotina

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca. Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.


(Pablo Neruda)

Um comentário:

poetriz disse...

A rotina é inevitável...
É preciso forças pra se reinventar!

Bjs!